Opinião: Ida do The Masked Singer para os domingos é um acerto, mas não em janeiro

A Globo anunciou após a final do The Masked Singer ontem (19) que a segunda temporada do reality será nas tardes de domingo no início do ano.


Considero a mudança de dia como algo positivo. É um reality de sucesso e que deve funcionar na combalida tarde dominical da TV brasileira. Certamente, mais audiência que o Zig Zag Arena marcará, o que não é difícil. Ainda assim, a estreia ser já em janeiro é muito arriscada.


Sim, é compreensível a escolha do mês se considerarmos que a emissora não terá mais os campeonatos estaduais, e nesse caso a atração servirá para compensar essa ausência. Entretanto, para o público isso não é relevante. Na prática, o que pode vir a acontecer é um desgaste da atração com apenas três meses de intervalo entre uma edição e outra, algo que a Globo já vivencia com o The Voice Brasil.


Em 2021, a atração está com 3 edições. O The Voice +, o Kids e a versão principal que estreará na próxima terça (26). A audiência reflete isso. Antes um fenômeno, o reality está em queda livre. Ano passado, a edição principal sofreu com o sucesso de A Fazenda 12.

Apesar disso, o alto faturamento do reality fez a emissora continuar investindo nele, demorando muito para procurar novos formatos que unissem audiência e faturamento novamente como o The Voice já fez um dia. Isso até a chegada do The Masked Singer. Torcemos para que ela não repita o mesmo equívoco.